A memória do Imaculado Coração de Maria é celebrada no primeiro sábado após a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus. Desde 1648 ela compõe o calendário litúrgico, graças a São João Eudes, que foi o precursor deste culto. Esta devoção, decorre do próprio Jesus que, em comunhão amorosa com a sua Santíssima Mãe, revelam-se à humanidade oferecendo refúgio e proteção. Porém, é em Fátima, a partir das parições de Nossa Senhora aos pastorinhos, que tal devoção ganha força e popularidade.

Em 13 de junho de 1917, a Virgem Santíssima revela seu Coração cercado de espinhos e pronuncia estas palavras: “Jesus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração.” O Coração de Maria, contornado de espinhos é a representação clara de seu sofrimento pelos pecados da humanidade. Sua mensagem é um pedido de desagravo, um apelo à conversão.

Nossa Senhora, em 10 de dezembro de 1925, revelou a Irmã Lucia a devoção dos “Cinco primeiros sábados”, assim ela disse: “Olha, minha filha, o meu coração cercado de espinhos que os homens ingratos a todos os momentos me cravam com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, procuras consolar-me e diz que prometo assistir na hora da morte, com todas as graças necessárias para a salvação, a todos os que, no primeiro sábado de cinco meses seguidos, se confessarem, receberem a Sagrada Comunhão, rezarem um terço e me fizerem companhia durante quinze minutos, meditando nos 15 mistérios do Rosário, com o fim de me desagravar”.

Irmã Lúcia, sem resposta à indagação de seu confessor a respeito do significado dessa revelação, mergulha em profunda oração e ouve a resposta do próprio Jesus:

 “Minha filha, o motivo é simples: são cinco as espécies de ofensas e blasfêmias contra o Imaculado Coração de Maria:

1 – As blasfêmias contra a Imaculada Conceição;
2 – Contra a Sua virgindade;
3 – Contra a Maternidade Divina, recusando, ao mesmo tempo, recebê-La como Mãe dos homens;
4 – Os que procuram publicamente infundir, nos corações das crianças, a indiferença, o desprezo e até o ódio para com esta Imaculada Mãe;
5 – Os que a ultrajam diretamente nas suas sagradas imagens.

Eis, minha filha, o motivo pelo qual o Imaculado Coração de Maria Me levou a pedir essa pequena reparação; e, em atenção a ela, mover a minha misericórdia ao perdão para com essas almas que tiveram a desgraça de a ofender”

O Papa Pio XII ordenou que toda igreja celebrasse o Imaculado Coração de Maria e que recorresse a sua intercessão pela paz no mundo. Foi durante a segunda guerra mundial, em meio a um cenário de desolação, que Pio XII consagrou toda humanidade ao Coração Imaculado de Maria.

Confira abaixo o Ato de Consagração”:

“Rainha do Santíssimo Rosário, auxílio dos cristãos, refúgio do gênero humano, vencedora de todas as grandes batalhas de Deus! Ao vosso trono súplice nos prostramos, seguros de conseguir misericórdia e de encontrar graça e auxílio oportuno nas presentes calamidades, não pelos nossos méritos, de que não presumimos, mas unicamente pela imensa bondade do vosso Coração materno.

A Vós, ao vosso Coração Imaculado, Nós como Pai comum da grande família cristã, como Vigário d’Aquele a quem foi dado o poder no céu e na terra (Mt. 28, 18), e de quem recebemos a solicitude de quantas almas remidas com o seu sangue povoam o mundo universo, – a Vós, ao vosso Coração Imaculado, nesta hora trágica da história humana, confiamos, entregamos, consagramos não só a Santa Igreja, corpo místico de vosso Jesus, que pena e sangra em tantas partes e por tantos modos atribulada, mas também todo o mundo, dilacerado por exiciais discórdias, abrasado em incêndios de ódio, vítima de suas próprias iniquidades.

Comovam-Vos tantas ruínas materiais e morais; tantas dores, tantas agonias dos pais, das mães, dos esposos, dos irmãos, das criancinhas inocentes; tantas vidas ceifadas em flor; tantos corpos despedaçados numa horrenda carnificina; tantas almas torturadas e agonizantes, tantas em perigo de se perderem eternamente.

Vós, Mãe de misericórdia, impetrai-nos de Deus a paz! E primeiro as graças que podem num momento converter os humanos corações, as graças que preparam, conciliam, asseguram a paz! Rainha da paz, rogai por nós e dai ao mundo em guerra a paz por que os povos suspiram, a paz na verdade, na justiça, na caridade de Cristo. Dai-lhe a paz das armas e das almas, para que na tranquilidade da ordem se dilate o Reino de Deus.”