No tempo litúrgico da Quaresma, a Igreja apresenta uma proposta anual de mudança de vida: tempo de conversão! São 6 semanas que culminam com o Tríduo Pascal, no qual se celebra o mistério da fé pela Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor.

Estes dias, também, são favoráveis à reflexão sobre a estadia de Jesus no deserto, associando-a aos desertos com os quais todo cristão se depara em sua caminhada: saber que o Mestre esteve lá por primeiro deve encorajar seus seguidores a se oferecerem para estar no seu lugar, como forma de proporcionar-Lhe um alívio, um descanso. Por isso os fieis são orientados a fazer penitências neste período.

Sabe-se que, no deserto, poucas são as condições de vida. Neste sentido, é comum que se encontre pessoas cansadas, sedentas, e até mesmo enfraquecidas e nestas, também, estão o Cristo, necessitando da disposição de quem possa servir-lhes um pouco de água e conforto para um breve descanso.

Interessante é ressaltar que “dar de beber” às vezes pode significar oferecer toda a água que se tem em favor de outrem, nisto consiste parte da renúncia de si mesmo da qual Jesus falou (Lc 9, 23).

Nestes 40 dias, a Igreja preocupa-se em sensibilizar de modo mais intenso e direto para meditação acerca do “Caminho da Cruz” como forma de motivar a cada pessoa na luta pela Salvação assegurada por Cristo, luta que se estende por toda a vida terrena, para qual todo cristão deve estar preparando-se continuamente. Que a partir deste tempo favorável, sejam aproveitadas todas as oportunidades de tornar-se semelhante a Jesus, pelos méritos do sofrimento e do amor: eis, de fato, o tempo de conversão!