“Deus reuniu todas as águas e chamou-as mar; reuniu todas as graças e chamou-as Maria.” (São Luís Maria de Montfort)

Em todo o projeto de salvação, Deus também pensou em Maria, nomeando-lhe “desde a eternidade”, para Mãe do Verbo. A data em que a Igreja celebra o seu nascimento é 08 de setembro, nove meses após a Festa da Imaculada Conceição.

O nascimento da Virgem Maria preludia o nascimento de Jesus. Encontramos no capítulo VIII da constituição sobre a Igreja Lúmen Gentium (LG) a seguinte afirmação: “Com longa espera da promessa, se cumprem os tempos e se inaugura a nova economia da Salvação.”

Nascida em Nazaré e pertencente a uma família humilde e devota, filha de São Joaquim e Santa Ana, Maria foi sonhada e escolhida por seu Criador. Ele a preservou do pecado original e lhes cumulou de todas as graças e virtudes para que, na liberdade de criatura, ela se tornasse Mãe do Salvador.

Deus fez Maria Imaculada, toda Santa, a fim de que n’Ela, a Santíssima Trindade pudesse operar. É ela o Sacrário Vivo de Deus, Aquela de quem as profecias falaram, desposada pelo Espírito Santo e de quem o próprio Deus, rendido aos seus encantos, se faz Filho.

Sim, Maria, a CHEIA DE GRAÇA, veio ao mundo para gerar nele a esperança e a salvação, pois n’Ela “o verbo se fez carne e veio habitar entre nós”, nos trazendo a Salvação por Sua Cruz.

Neste dia, te saudamos, oh, Maria! Dedicamos a Vós toda nossa gratidão, por terdes nascido e terdes aceitado a Vontade de Deus, que em Ti, veio fazer morada. Agradecemos a tua humildade, que embora encontrando graça aos olhos de Deus (Lc 1, 28), se faz sua pobre serva, pra nos ensinar. E, tendo nos deixado Teu exemplo, nos sentimos convidados a sermos, como Tu foste, um sinal de Deus no mundo!

Ir. Aldiene Andrande
Comunidade Casa da Paz