“Hoje nasceu para nós o Salvador, que é Cristo, o Senhor”.

O Natal é uma verdadeira oportunidade para o encontro com Deus. No nascimento de Jesus se manifesta a graça do Verbo Encarnado, que, fazendo-se homem igual a nós, veio habitar na Terra para experimentar “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem”.

Mas a atitude dos cristãos que desejam participar desse encontro não pode ser a de alguém soberbo ou autossuficiente. Pelo contrário, para entrar no lugar do nascimento de Jesus é necessário inclinar-se. Com efeito, se quisermos encontrar Deus manifestado como menino, então devemos descer ao presépio, lugar da humildade e do despojamento.

O nascimento de Jesus traduz a certeza de que não estamos sozinhos neste mundo. Deus vem ao nosso encontro, faz novas todas as coisas e anuncia-nos uma grande alegria. Este é o autêntico significado do natal: a graça de podermos confiar na simplicidade de um pequeno bebê que veio para nos salvar.

Queremos celebrar a chegado do Menino Deus, mesmo com as lágrimas de um ano 2020 difícil, estranho, duro e doloroso para nós e sobretudo para tantas famílias e para tantas pessoas idosas… tem todo o sentido olharmos com esperança para a Vida e também para a Luz que o Senhor da Vida continua a oferecer-nos.

Num ano em que aumentou a pobreza de tanta gente, mas também a generosidade de muitos, em que houve dolorosas partidas de pessoas queridas, em que nos abraçamos só com os olhos, tem sentido, alegrarmo-nos com a nossa vida que se constrói dia a dia, por vezes com lágrimas e cansaço, mas também com sorrisos, sonhos, esperança.

A festa do Natal chega de novo com a sua luz e esperança. Este ano, por causa da pandemia, mesmo não estando propício às festas, mas o presépio de Belém aparece diante dos nossos olhos e da nossa memória em toda a sua carga humana. Maria e José, graças às indicações de um transeunte, cujo nome ficou desconhecido na história, encontram uma gruta adaptada a estábulo e ali passam a última noite de espera. Jesus nasce absolutamente pobre.

O Natal coloca diante de cada um de nós os eternos valores trazidos por este menino encarnado para uma humanidade faminta e por vezes enferma, privada de um horizonte atingível e porventura também de uma bússola de vida. Uma humanidade que na pandemia se sente mais frágil, sem força para nada, mas que precisa de esperança, uma esperança que nasce no mais fundo do nosso ser humano para ser imagem e semelhança do Deus que é Amor.

O menino Jesus nos convida a abrir o nosso coração até dar a nossa existência ou parte dela ao próximo. É uma luz que combina com o amor. Viver o dia de Natal é comemorar o milagre do nascimento de Jesus Cristo e fazer despertar em todos nós a esperança em nosso Deus. Por isso a festa do Natal ajuda-nos a viver também a precariedade, o limite e a doença e ajuda-nos a recomeçar todas as manhãs com fé e esperança.

Sabemos que a vida é como um caminho, uma meta, como uma viagem no mar da história, por vezes no meio de tempestades que podem chamar-se pandemia com que diariamente vivemos e que podem fazer-nos muito mal. Uma viagem em que as verdadeiras estrelas que nos guiam são pessoas que irradiam luz e esperança, até alcançar Aquele que é a Luz por excelência, Jesus o Senhor, o Filho de Deus e de Maria, que naquela noite de Natal montou a sua tenda no meio de nós.

Um Feliz e Santo Natal!

Pe. Marcelo Manoel, sdb