Ela adornou-se dos seus mais preciosos trajes e foi ao banquete do Cordeiro… Prepara seu coração para recebê-lo. Em sua alma, há um nobre e ardente desejo: encontrar o Amado e estar com Ele para sempre.

A espiritualidade de Clara no Domingo de Ramos é a espiritualidade da espera e da entrega à paixão de uma alma esponsal. Estando ela tão discreta e tão bela, recebe das mãos do Bispo uma linda palma, sinal de sua entrega total a Deus.

O Domingo de Ramos para a donzela de Assis é a prefiguração do domingo de sua paixão por Cristo e Cristo por Clara. Assim, no silêncio da noite, ela é tomada de anseio, coragem, desprendimento e amor…

Tão bela, tão jovem, tão frágil e tão forte, rompe as barreiras de suas vontades para fazer a Vontade do Grande Rei, aquele que iria coroá-la de virtudes preciosas: ser mãe, serva e esposa…

A nobre dama vai ao encontro do mendigo de Assis em passos suaves, por sua delicadeza e, firmes, por sua convicção de alcançar o maior dos benefícios que recebeu de Deus: sua Vocação, como ela mesma afirma.

Francisco está a sua espera para conduzi-la aos átrios daquele que a chamou, encoberta pelas tochas de uma noite revelada de cantos e encantos, seu rosto brilhava mais que o clarão daquelas tochas, pois havia em sua alma uma chama incandescente. Os confrades testemunham tamanho esplendor de uma consagração virginal.

Francisco a leva ao Altar da Paixão de Nosso Senhor, que na pobreza daquele lugar, encontrava a nobreza de um Grande Rei esperando desposar sua amada. Então, corta-lhe as madeixas longas, parecia-lhes fios de ouro em suas mãos, caindo ao chão, desprendendo-se de toda vaidade daquilo que é seu para possuir aquilo que é Teu.

Os trajes de uma nobre dama, são despidos para receber as vestes de uma pobre dama. O cíngulo em volta a sua cintura se concretiza numa aliança de castidade, pobreza e obediência; o véu é a sua coroa emposta por um Cavaleiro da Corte, o Francisco de Assis. Assim, sua entrega foi completa e perfeita, tornou-se a esposa de um Grande Rei, mas aquele lugar, nunca foi igual, pois havia ali uma mística sobrenatural, a Porciúncula de Nossa Senhora dos Anjos.

As palavras de Francisco selaram aquela noite:

“Seja bem vinda, noiva valorosa do Rei Imortal!”

Nos passos de Santa Clara, celebre o Domingo de Ramos como a confirmação de sua entrega e de sua paixão pela Paixão do Senhor!

EXULTE!