01. O Senhor QUIS revelar a Sua Misericórdia

A iniciativa foi do próprio Jesus, quando em 22 de fevereiro de 1931, apareceu a Irmã Faustina em sua cela, conforme relata em seu Diário: “vi Nosso Senhor vestido de branco. Uma das mãos erguida para abençoar, enquanto a outra tocava-Lhe a túnica sobre o peito. Da túnica entreaberta sobre o peito saíam dois grandes raios, um vermelho e o outro pálido” (D. 47). A partir desta visualização, Jesus aparece-lhe algumas vezes, revelando a Sua Misericórdia e pedindo-lhe que anote tudo, para que o mundo tome conhecimento desta fonte inesgotável, que vem a ser “o maior atributo de Deus”.

02. Foi instituída no ano 2000

A Festa da Divina Misericórdia é relativamente recente no calendário litúrgico. Foi instituída no dia 30 de abril de 2000, pelo Papa João Paulo II, na ocasião da canonização de Santa Faustina. A Festa também foi um pedido de Jesus à santa, afirmando que neste dia, no primeiro domingo depois da Páscoa, estariam abertas as entranhas de Sua Misericórdia (D. 699).

03. É um refúgio para TODAS as almas

O Senhor Jesus apresentou-se como um refúgio seguro e sempre aberto para Salvação, a qual deseja conceder a todos, mas para isso, as almas precisam recorrer à Sua Misericórdia, sem medo de aproximar-se, independentemente dos pecados que tenham cometido.

04. O Senhor concede INDULGÊNCIAS PLENÁRIAS neste dia

Deus oferece perdão completo dos pecados, àqueles que se confessarem e comungarem na Festa da Misericórdia (D. 1109)

05. A Misericórdia de Deus deve ser ADORADA e ANUNCIADA

“Estou exigindo o culto à Minha misericórdia pela solene celebração desta Festa e pela veneração da Imagem que foi pintada. Por meio desta Imagem concederei muitas graças às almas” (D. 742)

O Senhor também prometeu graças especiais aos que divulgarem e testemunharem a Sua Misericórdia nesta vida.

Além da Festa, Jesus dispôs a Oração do Terço da Misericórdia, para ser rezada todos os dias na hora de Sua Paixão, às 15h00, a fim de conceder Sua Graça àqueles que recorrerem.